quinta-feira, dezembro 31, 2009

Happy New Year

I can't stand losing you


Eu sei que pode paracer parvo (é parvo) mas em vez de glorificar o dia com uma música de época prefiro comemorar o Ano Novo com memórias de Anos Velhos.

Happy New Year to You!

quinta-feira, dezembro 24, 2009

"Foi bonita a festa, pá!"

Dia 19, no Ateneu Comercial, no meio da barafunda da baixa e das compras de Natal,




uma mão cheia de Amigos encheram a Sala da Fonte



e fizeram dos meus poemas uma Festa.



A todos eles o meu Muito Obrigada.

quinta-feira, dezembro 17, 2009

Luz Vertical

(clique para aumentar a imagem)

Próximo Sábado, dia 19 de Dezembro, pelas 17H00, no Ateneu Comercial do Porto, será a sessão de lançamento do meu novo livro, “Luz Vertical”.
O livro, prefaciado por Pedro Abrunhosa, tem a chancela da Edita-Me e tem capa e ilustrações de Miguel Ministro.
No lançamento dir-se-á poemas e ouvir-se-á o piano de Pedro Lopes.
Gostava muito de o (a) ver por lá!


A minha página: http://www.alexandramalheiro.no.sapo.pt/

segunda-feira, dezembro 07, 2009

Sobre a chuva

Divagações


I


Sonho com um luar
onde houvesse ainda anjos displicentes
que se deixassem afogar
em velhas mágoas.
Sonho um sol
de fúrias quentes,
onde o empréstimo dos dias
se soltasse na loucura...


II

Chove.
Nem posso acreditar
como chove a minha cidade,
chove em mim
e chove sobre todos...
nem posso acreditar
o quanto chove esta cidade...
Se ao menos chovesse anjos,
ou estrelas,
ou almas...
Mas nada.
Nada mais que a fria chuva
que me molha
e que molha a minha cidade
em que chove, chove, chove.
Nem posso acreditar
o quanto a minha cidade chove...


III


Hoje dei por mim
a escrever desesperadamente.
A escrever sobre os carros e as pessoas,
sobre as ruas,
sobre as cores,
até sobre ti -
que foste apenas
mais um café
tomado entre a pressa dos sabores.



In "Sombras de Noite"

terça-feira, dezembro 01, 2009

I love you/I don't love you

Há, no amor, tanta coisa que não se diz,
como o sabor a sal
no mar dos teus cabelos,
ou o dourado que o sol
deixou ao beijar-te a pele pelo Verão.

Há, no amor, tanta coisa que não se diz,
como a impavidez serena
de um outro alvor terreno,
um silêncio abstracto que dorme
junto com a sombra da noite
a rememoriar no sono a fluidez dos teus lábios.

Há, no amor, tanta coisa que não se diz,
por serem interditos às palavras
todos os fervores que só se podem sentir.

sábado, novembro 28, 2009

Algumas considerações sobre o Facebook.



O facebook é um lugar estranho... uns andam na máfia de bolso, apanham ossos de peru, trocam e vendem armas e matam uns indivíduos que ninguém nunca viu; a maioria anda a plantar hortaliças e periodicamente encontra gatos, ovelhas negras e frutas mirradas a precisar de fertilizante e há, claro, uns palermas como eu que o usam para anunciar coisas sem interesse nenhum - tais como que vou lançar um livro no dia 19 de Dezembro (sim, é poesia - poesia? que é isso? isso fertiliza?) e esperam que esta malta entre uma apanha da azeitona e dois tiros na lambreta lá apareça (lá é no Ateneu Comercial do Porto) para me dar um hallo e, já agora, comprar o livro (e entre uma regadela da hortaliça e uma troca de maços de notas) ainda consigam ler o livro e tudo!

terça-feira, novembro 24, 2009

Coisas sobre olhos e olhares

Tanta vez parados,
os teus olhos,
embriaguez de alma,
usura,
insolícita virtude
dos que só sabem amar
e adormecer em silêncio.

Tanta vez parados,
os teus olhos,
no movimento que, ausente,
se assenta no remoinhar
calado do ribeiro largo
onde me deixas a afogar

Tanta vez parados,
os teus olhos,
engrossam nuvens
sombreando a luz,
coalhada pelo tempo…

o tempo
que perdemos
…em silêncio

sexta-feira, novembro 20, 2009

Crónica inacabada do indigente que lia Kerouac

A meu lado na FNAC sentou-se um sem-abrigo, facilmente reconhecido pelo seu ar andrajoso e o cheiro sui generis a interromper-me a leitura. Uma longa e mal cuidada barba compunha o visual do meu companheiro de livraria. Sentou-se com um livro de Jack Kerouac que abriu pelo meio procurando a página onde antes, decerto, havia interrompido a leitura. Daria um bom assuntode crónica, pensei e comecei a escrever sobre este assunto. Subitamente estaquei - mas eu não escrevo crónicas! E deixei de escrever sobre isto. Mas não me importaria - pensei.

quarta-feira, novembro 18, 2009

Divórcio

Acelera o passo,
divorcia-te dos poemas mais ingratos,
os mais difíceis de entender.

domingo, outubro 25, 2009

"Morning has broken"

Era manhã e não sabíamos
como juntos iríamos romper
as ténues águas do silêncio,
vencer o corpo contra o corpo,
atrito de pele atravessada pelo vento.

Avançaríamos em elipse,
derrubando a fronteira invisível,
horizontalizando o tempo,
sem querer saber se o vento
nos fustiga ou nos afaga.

Era manhã e não sabíamos
onde a noite nos iria encontrar.

quinta-feira, outubro 22, 2009

Desert road

Tu virás
e me dirás dos dias
a cor mais sóbria.
O vento te trará
com o pó da estrada
como se foras deserto
ou paisagem
ou um beijo
que te pedi um dia
de passagem

sábado, outubro 17, 2009

The long and winding road


Vem dizer-me onde é a estrada...

sábado, outubro 10, 2009

Sim, eu acredito!


sexta-feira, outubro 09, 2009

É agora, Porto!

Voto Elisa Ferreira, já o perceberam, não o escondi, antes pelo contrário.

Sinto-me na obrigação de explicar aos que seguem este blog que foi criado para ser “de poesia” a razão pela qual interrompi o seu intuito lírico para torná-lo uma espécie de palanque político. A razão é apenas uma: salvar o Porto, a minha cidade!
Não sou militante de nenhum partido, já votei em diferentes eleições em diferentes partidos, limito-me a seguir o meu próprio ideário. Não costumo manifestar-me tão abertamente e desta feita apenas o faço por duas razões muito importantes:

1. É uma absoluta necessidade fazer alguma coisa para tirar o Porto deste fosso em que se encontra, esta estagnação, esta definhação o que, já se percebeu, só se consegue afastando Rui Rio e a sua equipa e não vale a pena tentar eleger vereadores bem intencionados que rapidamente se transformam em muleta do “chefe”.

2. Acredito, de facto, com convicção verdadeira no projecto de Elisa Ferreira. Elisa Ferreira tem PROJECTO e este agrada-me
É, por isso, bem mais do que apenas afastar quem tanto mal tem feito a esta cidade mas é pôr em seu lugar quem tem um projecto sustentável, dinâmico e credível para fazer desta periferia de Gaia numa grande cidade, a segunda do país, capital do Noroeste Peninsular.
Obrigada Drª Elisa Ferreira, seja qual for o resultado final, pela forma digna como se bateu nesta campanha e a melhor sorte para si, que é o mesmo que dizer, a melhor sorte para nós Portuenses.

Aos meus leitores agradeço a paciência (e se votarem no Porto também agradecia que pensassem muito bem sobre tudo isto e dessem uma vista de olhos aos últimos posts). A poesia segue dentro de momentos.

quinta-feira, outubro 08, 2009

"Porto: onde a incompetência é poder."

1. Há sete anos atrás a cidade do Porto meteu o travão de mão e engatou a marcha-atrás. Um percurso muito pouco digno para aquela que era a segunda maior cidade desta espécie de país. Se já era pouco, o Porto passou, volvidos estes anos, a ser nada. Esta é a cidade que ficará para a História como a antagonista suprema de si própria, num processo autofágico que a levou ao estado crónico de depressão visível em todas as frentes. Da economia à cultura, das indústrias ao comércio de proximidade, da habitação à demografia, o Porto fez tudo, mas tudo mal, perdendo competitividade, expressão, riqueza, voz, numa palavra: poder. Hoje somos a cidade que estorva a dinâmica de Gaia, a mobilidade de Matosinhos e que compete mano-a-mano na região com Gondomar, esse outro símbolo de inteligência suprema na gestão autárquica que temos de suportar. Eu gostava de evitar escrever o nome ‘Rui Rio’, porque simplesmente não acho que o senhor mereça constar em qualquer anal que não o da mais pura mediocridade. Mas como o dito é o Presidente da Câmara Municipal do Porto, não há como dissecar a doença sem falar do vírus. Nem sei por onde começar! Pelas estatísticas, que atiram a zona do grande Porto para patamares na contribuição do PIB nacional para os quais temos de recuar 15 anos? Pela desertificação do miolo da cidade que remete para uma realidade de que só há memória no década de 40? Para o envelhecimento da população, abandonada num centro histórico cujas fachadas revelam uma degradação que envergonharia qualquer vila de província? Pelo negar das mais-valias culturais, das referências históricas, pela repressão da sua massa crítica, pela perseguição aos opositores do regime camarário? Pela hostilização gratuita aos emblemas que tornaram em tempos o Porto numa quase-metrópole? Pelo facto de em todo o país ser aqui que há mais famílias carenciadas a recorrer ao Rendimento Mínimo Garantido, sendo a proporção de 1 em cada 17 agregados familiares a fazê-lo? Pelo silêncio constante e sistemático em relação ao poder central que atira agora para Lisboa o traçado do Metro? Pela falência dos programas de Reabilitação Urbana e de reinserção social? Pela demagogia? Pelas negociatas pseudo-urbanísticas que quase levaram à demolição de, por exemplo, o emblemático Mercado do Bolhão? Pela ausência de ambição? De sonho? Enfim, a lista seria interminável e não quero tirar o pódio aos políticos a quem compete a oposição. A verdade é que o Porto é hoje uma sombra de si próprio, sem opinião, sem carácter, desprovido de rosto, onde apenas alguns tem a coragem de confrontar o poder e quase todos se calam perante a boçalidade com que este presidente tem ocupado aquele que já foi um dos mais prestigiantes cargos da vida política nacional. Uma cidade é um ‘work in progress’, um espaço multifuncional onde tudo se debate, onde tudo acontece. Uma trama intertextual de processos e vivências que é preciso alimentar todos os dias. Porque a cidade são as pessoas. E são estas as que tem sido sistematicamente humilhadas pela total ausência de obra. Pior, ao não deixar nada realmente feito na trama urbana, o vírus assexuou a cidade, transformando-a num ser amorfo, distante e paralisado à sua triste imagem e dimensão. Ao não ter um projecto digno no presente, o sr. Rui Rio é desprovido de qualquer visão de futuro. E nada pode ser mais fatal para qualquer actividade humana, política sobretudo, sem este rasgo, esta visão que tanta falta faz aos que habitam o espaço urbano. A cidade agoniza lenta e dolorosamente para além do razoável. E se isto não fosse suficiente, este vírus, que, como todos, se multiplica, minou as estruturas basilares que sustentam a urbe. Do Rivoli, único espaço de experimentação e reinvenção antigamente permitidos a todos os quadrantes do tecido criativo, ao comércio tradicional envelhecido e cercado por uma miríade de grandes superfícies, da nomeação obscura de familiares para cargos para os quais não possuem declaradamente as competências necessárias, a uma total ausência de transparência nas contas da edilidade, tudo tresanda a um falso rigor e contenção serôdia que sufoca transversalmente todas as actividades que competem a uma Câmara Municipal. Alheado e distante dos munícipes, bem como da realidade mundana que emerge dos novos conceitos de cidadania que palpitam por toda a Europa, o sr. Rui Rio esventrou aquela que sempre foi a suprema mais-valia do Porto: a sua Alma. E uma cidade sem Alma é um corpo burocrático, autómato de nulidades, um conjunto de ruas com casas vazias a suportarem-lhe o estertor. O vírus não matou a cidade, mas atirou-a de forma impiedosa para o silêncio, esse espaço sinistro que nenhum lugarejo merece. Nunca um homem sozinho conseguiu em tão pouco tempo destruir tanto, tendo à sua mão tudo para construir muito.
2. Claro que as sucessivas mudanças de posição do autarca em relação a assuntos estruturais, tais como a regionalização, que agora defende mas contra a qual fez campanha, revelam também a sua infinita desonestidade política, só passando impune num país onde a oposição é cúmplice na omissão, e o aparelho do seu próprio partido, o PSD, tolera tais incongruências de acordo com a maré e a conveniência. E este é talvez o maior perigo que a democracia portuguesa terá que enfrentar num futuro próximo: os partidos que ciclicamente ocupam o poder são escolas desideologizadas, onde até a mentira vale desde que para manter debaixo da sua bandeira cargos, funções, autarquias, mordomias. É o vale-tudo pelas migalhas do poder. O sr. Rui Rio, esse sublime incompetente que à boca fechada alguns sectores do PSD não toleram e que hoje destrói o Porto, será o mesmo, para não dizer o único, que amanhã, perante o estado imberbe a que o seu partido chegou, se apresentará como salvador supremo do dito. Tendo como credencias a soberba, a arrogância e uma falsa moral de odores salazarentos que o fazem melífluo e silencioso, características que, aparentemente, colhem bons frutos em certos círculos do mesmo partido, o sr. Rui Rio leva atrás de si uma gestão ruinosa, também em termos económicos, da Câmara Municipal do Porto. A este exemplo, a nomeação da irmã do seu Vice, Álvaro Castelo Branco, para ‘gerir’ o Rivoli, auferindo um ordenado de 3790 euros mensais, é esclarecedora. Acresce que, uma vez delapidada a Culturporto, a autarquia possui gente capaz para tal posto sem necessitar recorrer a contratações externas e pouco transparentes. Ainda de salientar, a propósito da tão alardeada honestidade beatífica do autarca, que Manuel Teixeira, seu chefe de gabinete, tem um vencimento de 5159,15 euros mensais, acrescidos de 2082,89 de despesas de representação, e Poças Martins recebe 12500 euros por mês, dados que o presidente se recusa a apresentar oficialmente tal é a impunidade com que decide, manda e manipula. É com esta mentalidade que, uma vez desgastada a actual líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, e afastadas as hipóteses de Santana ou Menezes, o sr. Rio prepara, na obscuridade do silêncio e numa troca-tintas sistemática em relação às causas nacionais, o assalto à cidadela do partido. Este é o primeiro-ministro em potência se o PSD e os eleitores o permitirem. E esta é, supõe-se, a sua suprema ambição. Um retorno ao pior do cavaquismo. Um autismo e autoritarismo cujos frutos são bem visíveis na malfadada cidade que dirige. Estará Portugal disposto a suportar tão triste sina? Venham os indecisos e deambulem por esta Mui Nobre, Leal e, até agora, Invicta Cidade do Porto. Perante o vazio que encontrarem, decidam. Não antes. Mas venham depressa porque a Cidade chegou ao fundo do poço. E daqui só sairá com a honestidade e ambição dos que se apresentarem como alternativa já em 2009.


Texto de Pedro Abrunhosa, publicado na revista MAXMEN em Dezembro de 2008

Um Porto esmiuçado.

segunda-feira, outubro 05, 2009

O demagogo no seu labirinto

O problema de Rui Rio quando fala de cultura não é a sua ideia de cultura, é o que pensa sobre cultura não chegar a ser uma ideia. Versão tosca e pré-moderna do "homem sem qualidades", Rio não sabe o que seja isso de cultura e não sabe que não sabe.
Não foi, pois, por falta de pudor que disse o que disse à TSF sobre o assunto (dando como exemplo da "política cultural" da "sua" Câmara a edição de um livro sobre… os presidentes da autarquia), mas por ignorância.
Nem foi por descuido, mas por motivos mais grossos, que afirmou, ao mesmo tempo, que "comigo pode haver apoios, mas para o que tem potencial para ter público".
Ignoro que "público" (sei lá, se calhar milhões de portuenses correram a comprá-lo) terá tido o tal livro sobre os presidentes - e não vejo porque é que um livro, ou um espectáculo, "com público" precisará de apoios - mas, coerentemente com a sua noção demagógica de "cultura", Rio deveria ter editado antes o popularíssimo "Livro de S. Cipriano" ou o livro de mortalhas Zig Zag.
Certo é que, com gente como Rio, Camões nunca teria tido a tença nem teriam sido publicados "Os Lusíadas".
Manuel António Pina
in JN 5/10/2009

É a cultura, estúpido!

Não é cultura nem lazer, é apenas uma cidade a respirar...



Foi há 14 anos. De lá para cá a História vem-se repetindo.

domingo, outubro 04, 2009

Por um Porto melhor!

É agora, Porto!
"Fazer o que ainda não foi feito"

Por um Porto melhor!

É agora, Porto!

sexta-feira, outubro 02, 2009

Vale sempre a pena voltar a ler...

Uma cidade que se perdeu de si

Ouvir um candidato autárquico reconhecer o "carácter prioritário" da cultura só é surpreendente numa cidade, como o Porto, entregue há vários anos a gente sem qualquer visão estratégica e incapaz de ver além da Circunvalação.
Rui Rio é um exemplo extremo da tantas vezes repetida constatação de Wittgenstein de que "o 'meu' mundo se revela no facto de os limites da [minha] linguagem (…) significarem os limites do 'meu' mundo". A linguagem de Rio diz, com efeito, tudo o que há a dizer sobre a estreiteza do "seu" mundo (um pequeno e asfixiante mundo entre a despensa e a sala de jantar) e sobre a mediocridade da "sua" gestão. Cultura, para Rio, significa La Féria e corridas de carros e de aviões. É esse o "seu" mundo, o mundo que a sua linguagem lhe permite e, reduzido ao tamanho do mundo de Rui Rio, o Porto transformou-se numa pequena cidade, um bairro periférico de si mesmo e do seu passado. Que Elisa Ferreira se proponha, se eleita, assumir pessoalmente o pelouro da Cultura é apenas o reconhecimento da situação de emergência cultural, que é o mesmo que dizer de identidade, que o Porto hoje vive.
Manuel António Pina
in JN 2009-09-25

quinta-feira, outubro 01, 2009

Por um Porto melhor!

É agora, Porto!

quinta-feira, setembro 24, 2009

Talvez Setembro

Talvez Setembro
com pássaros e um lago
ao fundo,
espécie de memória de férias,
lugar de pacificação.

Talvez Setembro
esparzido aos teus olhos,
nostalgia,
manhã do princípio,
invenção dos dias

ou a viagem incoerente da poesia.

quarta-feira, setembro 23, 2009

Momento de pausa para reflexão de âmbito pessoal

Regressei de um curto retiro espiritual. Não escolhi um lugar isolado, apenas um de moderada calma e suficientemente longe do meu habitat natural para me sentir retirada.
A busca da paz e de um eu mais interior tem-se mostrado um percurso longo, num trajecto nem sempre fácil, com obstáculos vários a transpôr. Acontece que me vejo assim enleada nos mais curiosos, abastractos, diria até abstrusos, pensamentos sobre as mais variadas coisas, vai daí foge-me a mão e desato a escrever pessoalidades tão desinteressantes como esta no blog que faz de conta que é poesia (coitado).

Durante o meu retiro não deixei de ler o jornal diário para me ligar ao mundo, apenas deixei de ver televisão, não deixei de ler os mails que me enviavam apenas não respondi a nenhum e nada mais consultei na net, também da mesma forma não deixei de atender telefonemas mas deixei de os fazer, foi uma forma diferente de olhar o mundo ainda que com os mesmos olhos, foi como fugir dele estando apenas noutro lugar.

No regresso tentei a pacificação e o reencontro com a minha cidade, tarefa difícil nestes oito anos de desalento na sua "desgovernação", a ver se agora a coisa muda (sim, eu ainda tenho esperança), descubro depois que na minha ausência algumas coisa mudaram, por exemplo a FNAC de Stª Catarina mudou o aspecto e os locais de algumas coisas - o que é sempre difícil para mim já que devo ter uma ou duas costelas de obsessiva.

E ao sentar-me ao café descubro ainda que o Amor (coisa de letra graúda, não confundir com paixonetas adolescentes de Verão ou coisas assim, digamos que é aquilo que alguns sentem pelo cão, pelo gato, geralmente pelo Pai, pela Mãe, pelos irmãos, isto só para que se perceba a ideia da maiuscularidade da letra, refiro-me pois a Amor) é provavelmente o mais intenso e cruel acto irreflectido. Dá-se esperando (ah o Roland Barthes é que explica isto tão bem!) receber, sem se esperar receber, como quem dá agora sem querer nada em troca, não agora mas mais adiante. E no entanto, tantas e tantas vezes espera gorada, não há nada em troca só o vazio e o vazio no Amor dói, dói, dói. Tanto como uma bofetada ou um murro enfiado na boca do estômago. Porém, o Amor, o tal, o da letra maiúscula fica. É como os planos do Manoel de Oliveira: "fica, fica, fica." Não seria muito mais racional pô-lo de lado? Pois se a resposta é um vazio silêncioso, quando não um barulhento revés no que esperavamos como resposta ao nosso Amor, porquê insistir nele? Porquê continuar? Que marcha mazoquista é esta em que insistimos? É isso mesmo - o Amor - porque não é racional quando é Amor. Esqueçam lá a ideia de o domesticar. Lá dizia o poeta (O'Neil): "O amor é o amor - e depois? Vamos ficar os dois a imaginar, a imaginar?"

Desenganem-se os que amam, foram feitos para sofrer e - ó martírio - continuar a amar, a amar, a amar...

sábado, setembro 12, 2009

Entre um e outro voo (ou a ver passar os eléctricos)

A minha cidade acordou hoje estremunhada de pássaros a motor. Aviões a brincar na acrobacia fantasiosa que a todos nos ocorre, vez em quando, de voar. O estrepitoso roncar das passarolas desarruma o usado voo das gaivotas que, loucas de espanto, se abandonam em rotas circulares assobiando gritos abafados.
Entre um e outro voo abro a janela e fico a espreitar o fumo dos Breitlings em séries de sete a imitar o vê dos bandos de aves em migração.
Esta tarde não seguirei o voo dos aviões, fugindo ao bulício do povo mergulhado no rio até aos joelhos, vou ficar em sossego a ver passar os eléctricos eles também de ronco profundo fazendo trepidar as cadeiras no café

sexta-feira, setembro 11, 2009

Red Bull dá-te gaaaaassseeeesssss!!!!

Sobre os pássaros
Não sabendo do céu
mais do que a azulácea cor,
abriu-lhe os braços,
desarmados,
e voou.

Assim são os pássaros,
quando menos se espera
desatam a voar.
Qualquer coisinha lhes serve de asas!

Se é para aviar aviemo-nos!



Ânsia


Quanta ânsia de voar
há nas tuas asas esparsas
e na sépia do olhar
que com a sombra disfarças...

e quantas noites, quantas asas?
Dos beijos em que te afoitas,
dos lumes em que te abrasas.

Quanta ânsia de voar
há nas tuas asas esparsas
nos corpos por devorar
onde as palavras são escassas

e quantos olhos, quantas farsas,
no final de cada sonho
nos braços em que te abraças.

Quanta ânsia de voar
há nas tuas asas espars
as?
Solta-te no ar
num voo de fazer inveja às garças!


in
"A urgência das palavras"

sexta-feira, setembro 04, 2009

Conciliações



Chego ao teu corpo para conciliar o silêncio com a noite
e te deixar a paz nos braços para que possas adormecer

terça-feira, setembro 01, 2009

"O amor é louco, não façam pouco - Parte II"

Escrevi este "poema" por brincadeira, há vários anos atrás, a propósito de uma pessoa que constantemente gritava o seu "amor" aos 4 ventos como se o escrevesse na parede (vem tudo isto a propósito da foto do post anterior). Fi-lo por puro gozo, espécie de poema-com-moral, por acreditar pouco no amor que é preciso anunciar nas paredes.


Amor de parede

Escreves amor nas paredes,
será que nunca vais perceber,
que amar é sempre mais dar
do que o que hás-de receber?

Sonhas um anjo dourado
de asas longas a adejar
descendo em voo pausado
só para te vir abraçar.

Mas não há anjos no céu
senão os que inventares
em ti,
nem asas senão
as que fizeres voar
por ti,
à tua volta,
em teu redor.
Não há palavras com
que possas escrever,
ou mesmo dizer:
Amor!

Lembra-te que o mundo
que temos, é um lugar agreste
onde crescem mais os cardos
que uma qualquer flor silvestre.

Escreves amor nas paredes
será que não vais nunca entender,
como é isso do amor que se dá
sem se esperar receber?

"O amor é louco, não façam pouco [...]"

Não sei quem és, mas agradeço-te a delicadeza de estampares a declaração de amor mesmo assim à minha porta!

terça-feira, agosto 25, 2009

Poema apalavrado

Palavra casa,
palavra chão,
palavra asa,
palavra turbilhão!
Tanta palavra no gosto do povo,
tanta palavra que se faz de novo!

Palavra tolice,
palavra sandice,
palavra sem palavra,
palavra que se insurgisse,
não quero tanta palavra
para escrever palermice.


A palavra é a arma
de todo o que nela visse,
um uso que não fosse este,
um arrojo que não se ouvisse!

Arre!
Para quê tantas palavras
para dizer coisas pequenas,
se para dizer que amo
uso três letras apenas?

sábado, agosto 22, 2009

Por um Porto melhor!

Porque nem só de poemas vive um blog e por uma absoluta necessidade de salvar do lodo a minha amada cidade, deixo-vos esta sugestão de voto.
Força Elisa!

Parte 1:



Parte 2:



Parte 3:



Parte 4:

domingo, agosto 16, 2009

O cauteloso domínio sobre o improviso - um ensaio

Repara quão tortuosa
é a tua mão que chama
e geme redonda
contra a pedra que canta,
o íngreme salmo do abandono.

Erigida a torre
eis o que resta do rosto
penumbroso, da insaciedade animal
com que nos torturamos sem sentido –
aqui o sangue,
ali a intempérie.

quinta-feira, agosto 06, 2009

Um castelo com ameias

Uma cidade sitiada
de muros e esquinas,
curvas impossíveis de avançar.
A velha muralha a encerrar-te o corpo,
moído de ventos
e incompreensão.

Noutro tempo, talvez,
as tuas mãos,
uma guitarra,
um castelo com ameias
e o teu corpo a gritar
na agitação das marés.

O teu corpo, sempre,
lugar de viagem e retiro,
murmúrio atravessado na cidade.


Poema que me veio à ideia ao dar nome a uma foto

quarta-feira, agosto 05, 2009

Fim de diário!

Pronto, cheguei a casa, passou-me a diatribe diarística (pelo menos por agora), voltemos aos poemas ou blá-blá-blás, sim?

terça-feira, agosto 04, 2009

Diário de bordo de férias

Dia 10

O silêncio encontro-o quando apago a luz do quarto. Fica apenas um resquício de música ao longe – untz untz untz – muito ao longe.
Antes de me deitar fui ver a lua cheia sobre o mar. Amanhã já cá não dormirei!

segunda-feira, agosto 03, 2009

Diário de bordo de férias

Dia 9

Fazia hoje o meu “passeio higiénico” pela praia, caminhava sobre a areia molhada, deixando apenas “demolhar” os tornozelos, andei assim longa distância, apreciando vagamente os banhistas, fazedores de pontes e castelos, pescadores da margem, criancinhas saltitantes e fui absorvida por uma imagem. Uma mulher de idade, setenta e muitos, oitenta e poucos, sentada junto à margem da água, pernas abertas, o corpo inclinado para trás equilibrado sobre as palmas das mãos, as carnes flácidas, a pele branquíssima, láctea e um sorriso invertido como que em desespero, olhar semi-cerrado face ao sol. Sozinha, tinha tez e aspecto britânico, só, o corpo de velha estendido ao mar como se esperasse dele uma onda mais forte que a levasse, tinha ar de naufraga, não do mar mas da própria vida. Esperaria alguém – ainda que em sonhos? Um marido morto, um amante, uma viagem por cumprir? Fiquei a pensar na velha conforme fui caminhando, quando vemos alguém que morre pensamos irremediavelmente na nossa própria morte, fantasiamo-la; quando vemos um velho fantasiamos também a nossa própria velhice. Como serei eu, se atingir a idade dela, com aquela mesma idade? Estarei também ali na margem do mar com a areia, esperando em desespero uma qualquer quimera perdida? Um marido? Um amante? Uma estrela cadente? Um aluvião? Aquele poema ainda não escrito? Ter-me-ei já rendido à evidência que a vida é uma espera de poucos alcances?
Quando tornei do passeio a velha já lá não estava.

domingo, agosto 02, 2009

Diário de bordo de férias

Dia 8

Curta fuga, em solidão, para o quarto. Sento-me na varanda a comer bolachas, pés apoiados no varão aproveitando uma nesga de sol sobre as pernas, mantendo o restante corpo à sombra. Ainda não tinha parado ali o tempo suficiente para perceber quão agradável é um fim de tarde num 9º andar, a ver o mar lamber a praia e os barcos erguendo à sua passagem uma fiada de espuma. Duas lanchas e um pequeno veleiro alcançam a costa, o veleiro parece em apuros com o seu pequeno tamanho, maltratado pelas ondas erigidas pelas lanchas. Era só impressão minha, tudo corre bem com as três embarcações, sou apenas eu a imaginar o meu enjoo caso estivesse a bordo da barcaça.

São 18H30. O telemóvel transformou-se num instrumento útil para ver as horas. Em todo o período de férias apenas duas pessoas me ligaram – uma amiga a querer saber de mim e das minhas férias e dando-me conta das suas que terminavam e uma outra, esta mais por uma aflição que compreendo do que propriamente por saudades minhas. Noutros anos era mais animado e ruidoso, penso que devo estar a perder amigos ou talvez eles se estejam a perder de mim. Dantes acreditava que voltavam sempre, agora não tenho tanta segurança. É um dos óbices de não se “pertencer à manada”, toleram-me mas não me amam, logo não me sentem a falta!

Diário de bordo de férias

Dia 7

Quem faz férias em família num hotel incorre em sérios problemas de privacidade, intimidade e silêncio. O tempo passa a ser de comunidade, um infinita partilha – o quarto partilhado, as refeições partilhadas, as brincadeiras aquáticas partilhadas, etc. Hoje resolvi encetar uma busca pela intimidade perdida e fugi sozinha, à socapa, para a piscina.
Quem, como eu, nada apenas de bruços e faz tentativas probrezinhas de crawl tentando sempre manter ao abrigo de água o nariz, os olhos e os ouvidos, incapaz de mergulhar é uma carta fora do baralho, nunca é “parte do grupo”. Enquanto os outros se entregam ao mergulho, a levantar ondas e espuma que eu, discretamente evito. Sou capaz de nadar distâncias razoáveis mas totalmente incapaz de mergulhar. Os do grupo, como em tudo, não me amam, mas toleram-me, não sou um deles mas ainda assim posso participar, sou tolerada. Acontece-me isso em quase tudo, não pertenço à manada mas sou tolerada o que, teoricamente, dá alguma segurança. Verdade seja dita, não me incomoda assim tanto, tenho mesmo alguma (muita) aversão a grupos lembrando sempre uma frase de Sting: “men go crazy in congregations, they only get better one by one”. Um dia convidaram-me para fazer parte de um clube de fãs – um daqueles onde um bando de maluquinhos ululando à volta do seu herói são oficialmente ungidos como Os fãs oficiais. Respondi ao próprio herói – que era quem me fez o convite –“deves estar tolinho!” Depois arrependi-me por ter ficado a achar que talvez o tivesse ofendido ao recusar dessa forma a distinção, sem contudo me conseguir imaginar entre a turba que cola posteres e selos e tece loas ao invencível herói. Julgo que, entretanto, o clube de fãs feneceu (ou pelo menos nunca mais ouvi falar de semelhante instituição), eu continuo tão fã quanto antes, admirando a genialidade do artista, mas antes como agora não conseguia conceber o carinho e admiração que sinto a tresmalhar-se ante o elogio bajulador e acrítico que tende a acometer as massas em êxtase. Os meus êxtases vivo-os sozinha!
Entretanto mais dois elementos do meu “clã” se barbataneiam na água, junto à escada, acenando-me e um 3º elemento aponta-me a objectiva da máquina obrigando-me a adeuzes sorridentes para a posteridade – uma pasta a que hei-de chamar “Algarve – férias – 2009” com toda a certeza.
Na política de não-inscrição em que ando empenhada estes momentos de introspecção são, na verdade, a evitar.
“’Bora lá mergulhar!” (quer dizer… nadar, nadar!).

sábado, agosto 01, 2009

Diário de bordo de férias

Dia 6

Um música chata, muito chata, perpetua-se na noite dificultando o sono. Há uma festa lá em baixo que explica o ruído. Guardassois brancos, canapés e padiolas com almofadinhas brancas, tudo branco e o dress code: branco e vermelho a dizer com as luzinhas a criar ambiente. Vejo tudo da minha janela mas pior do que isso – ouço – a música chata, chata, hoje mais alta que nas restantes noites por ser noite de aniversário do recinto.
Paro, por um momento, a olhar a garrafa na prateleira do quarto, garrafa de estilista a custar oito euros, pus-me a imaginar-lhe o sabor, talvez salobinha como a evian que um dia tive o desprazer de provar em Berlim (rapo uma sede fora de Portugal, santo Deus!) mas aperaltada numa garrafa estilizada. Imaginei uma garrafa de luso com um lacinho ao pescoço – digo gargalo – que bem me saberia!
Percebo que a música chata lá fora era, afinal, ao vivo, uma sujeita de voz jazzy dá as boas vindas aos camones “C’mon you beach people!” e a beach-people rejubila!
zZZZzzzzzzzZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzz

sexta-feira, julho 31, 2009

Diario de bordo de férias

Dia 5

Sabem a melhor maneira de apanhar um escaldão e ficar perto de sucumbir dentro de água? É ter dois putos à solta, basicamente, mergulhados na água o tempo todo!

quinta-feira, julho 30, 2009

Diario de bordo de férias

Dia 4

A vida é pouco mais que uma sequência de absurdos. Acatamos o que temos sem questionar grande coisa e pensamos com isso alcançar a felicidade. Por sua vez a felicidade que ambicionamos é nada mais do que uma ilusão de paz que nos entretém e nos evita o questionar a vida que levamos, entediante, feita de um dia atrás do outro em infernais rotinas de prazer e abjecção caminhando tão juntas que não são já distinguíveis, tudo miscigenado, todas as dores, toda a espécie de infelicidade mascarada por prazeres de efemeridades, todo o pequeno desprazer imediatamente compensado com o fogo de artifício que cada um sabe encontrar de forma a não ter de se enfrentar, de olhar para dentro. Tudo serve de divertimento e enfeite para a dor, tudo serve para a não-introspecção e subsequente não inscrição dos nossos processos interiores, o que importa é o exterior, o que sevê, o que os outros vêm. Para quê ser infeliz se há tanta felicidade à espreita à nossa volta – ainda que esta possa ser de plástico, isso que interessa?
Sobre isto me deitei a pensar no dia 4 de férias.
Vilamoura é um lugar excessivamente barulhento para continuar esta meditação. Máscara perfeita de sol, mar, marina, hotel de muitas estrelas a compensar aqueloutra falta de luz que me persegue – “who cares”? quando há saúde, sol, jacuzzi, música a estourar até às tantas – haja saúde de dinheiro prós gastos! Interessa inscrever apenas o que fica na fotografia.

Ainda assim trago em mim uma memória de outro tempo, cheio de estrelas que iluminavam o silêncio, as rãs coachando no pequeno lago entre os nenúfares floridos e os grilos e os bezouros adormeciam a noite.

terça-feira, julho 21, 2009

Tão triste

"mas já me doem as veias quando te chamo
o coração oxidado enjaulou a vontade de te amar
os dedos largaram profundas ausências sobre o rosto
e os dias são pequenas manchas de cor sem ninguém"

Al-berto


Tão triste como
conhecer-te do corpo as imperfeições,
seguir com as pontas dos dedos
os sinais que tens,
cada lugar mais escuro,
cada impureza.

Tão triste como
visitar-te os olhos sentir-te em silêncio,
percorrer-te os trilhos
dentro do cinzento,
cada noite em claro,
cada incêndio.

Tão triste como
morreres-me por dentro
e crescer no meu peito
uma lápide ao centro

quinta-feira, julho 09, 2009

Luz & Sombra

Disseram-me que se adormecesse na tua luz ficaria para sempre na tua sombra mas só com o tempo me fui habituando a viver na escuridão.

terça-feira, julho 07, 2009

"No teu deserto"

Também a mim me dói a boca de silêncio,
a língua um pedaço de carne a arder
anunciando as estrelas no céu da boca.
Também a mim me dói a ausência dos teus olhos,
a fímbria matizada do poema
roçando-me na pele um fogo a arder-te.

quinta-feira, julho 02, 2009

Corpo

Socorrer-me do teu corpo
como se o mundo acabasse
na curva que o vento faz
junto ao teu peito
e ardesses em mim
como o silêncio nas árvores.


Foto by Johannes
Museu Berardo - Escultura de Ron Hueck

quarta-feira, julho 01, 2009

Sir Elton

Pois... de facto não foi um concerto no Pavilhão Atlântico do Tony Carreira, não foi. Talvez por isso a TV perdeu com ele pouco tempo.
Temos pena... mas não foi MESMO um concerto do Tony.
Long live Elton John!






Music Magic tinha ele escrito nas costas da jaqueta. Concordo. E só por causa disso este post é todo escrito em cor a dizer com a camisa dele, do Nigel Olsen e da bateria!

terça-feira, junho 30, 2009

CLP - novo blog!



Está aqui o novo blog do Clube Literário do Porto:

http://clubeliterariodoporto.wordpress.com/

domingo, junho 28, 2009

R.I.P. Jacko

Depois tanto alarido, a minha singelíssima homenagem a Michael Jackson que é lembrar uma velha música para a qual eu tenho mood e citar um artigo bem feito do ipsilon do Público para ler aqui .

Eu tinha 10 anos e a escolha seria "Beat It".


Que descanse em paz.



"One day in your life

you'll remember a place

Someone's touching your face

You'll come back and

you'll look around you

One day in your life

You'll remember the love

you found here

You'll remember me somehow

Though you don't need me now

I will stay in your heart

And when things fall apart

You'll remember one day..."

quarta-feira, junho 24, 2009

Crónica de S. João



"Deus e o meu Pai morreram no mesmo dia"

João Luís Barreto Guimarães

in

"A parte pelo todo"

sábado, junho 20, 2009

Pensam-me, logo existo!

[…]

A uma hora dessas

por onde andará seu pensamento


Dará voltas na Terra


ou no estacionamento?





Onde longe Londres Lisboa


ou na minha cama?

[…] *



Este pensamento persegue-me.
Os mortos só morrem verdadeiramente quando deixam de ser lembrados, pensados. Com os vivos passa-se o mesmo, enquanto pessoas não existimos se aqueles que nos conhecem não nos lembram.
Às vezes, como agora, dou por mim a pensar em quem pensará em mim e do que se lembrará de mim, tanto agora como quando eu partir. Dou por mim a pensar que marca deixo nos outros (se a deixo). Que lembraça será, a dos olhares partilhados, das pequenas piadas, frases ditas, pensamentos profundos ou apenas parvos, “estórias” de batalhas travadas ou de pura diversão. Inquieta-me este pensamento. Da mesma forma que a distância dos que fazem parte de mim sempre me inquietou, a distância real, física, dos que partem para outro lugar e aquela ainda mais difícil de quebrar, aquela que vamos deixando interpor-se, dos muros de distância que vamos construído.

[…]

A uma hora dessas

por onde passará seu pensamento
Por dentro da minha saia
ou pelo firmamento?

[…] *


Se eu morresse hoje, que poemas fariam a minha mortalha? Haveria poemas? Que poemas me dedicariam?
Natália Correia escreveu " Os que nunca inspiraram um poema/são as únicas pessoas sós."
Que poema inspiraria eu aos meus amigos?


* Adriana Calcanhoto

domingo, junho 14, 2009

Às vezes...


Às vezes procurava na terra as palavras,
escavava-a
tentanto achá-las.
Às vezes encontrava
não palavras mas os teus olhos
e com eles
pedaços do teu silêncio.

sábado, junho 13, 2009

Eugénio

Faz hoje 4 anos que morreu José Fontinhas - Eugénio de Andrade.


Vá, sejam participativos e encham-me a caixa de comentários com poemas de (ou para) Eugénio!
Comemoremos a morte do Poeta como deve ser comemorada, com Poesia.


Adenda ao post:
Comemorar (diccionário Porto Editora):
v. tr.
1. Lembrar.
2. Trazer à memória.
3. Solenizar, recordando.

quinta-feira, junho 11, 2009

Pub - O Apetitoso...


Passei hoje no Stand C - I - 02, do Clube Literário do Porto, na Feira do Livro do Porto, ali bem juntinho ao "supermercado" da Leya e ao D. Pedro. Passei lá e estavam lá estes malandros assim empoleirados, apetitosos, quase me apeteceu comprar um! O "Circulação Transversa" também lá estava mas como estava mais discretinho não me saltou à vista como este, assim... apetitoso!

quarta-feira, junho 10, 2009

Um eléctrico chamado Poesia


Homenagem a Daniel Faria, pelos 10 anos da sua morte, no dia 9 de Junho, onde numa noite de chuva um eléctrico se encheu de Poesia.






Viagem mágica





com o colectivo Quartas Mal-ditas e convidados.

Ver melhor aqui, aqui e aqui

domingo, junho 07, 2009

quinta-feira, junho 04, 2009

Há dias assim...

Silêncio,
que não sei como se
ama sem este escopro
de música,
sem esta angústia de tempo,
sem o teu corpo,
lento,
lento,
afogueando-me a
batida no peito,
as mãos tremendo-me
não sei se de desejo
ou medo,
que o tempo, vagabundo
e cruel,
te leve de mim
antes do tempo


(o tempo de amar-te como
a um silêncio)

domingo, maio 31, 2009

Poetas de Café







Foi bonito ver o "meu" Majestic assim... cheio de poemas!



"Um pingo de café desliza pela base da chávena e cai sobre o papel onde escrevo.

Acidente de trabalho."

João Luís Barreto Guimarães

in "Lugares Comuns"




segunda-feira, maio 25, 2009

Momento de Pub (ou as boas notícias)

As boas notícias são que estes irão estar na Feira do Livro do Porto, em exposição e à venda no Pavilhão do Clube Literário do Porto.
Eu também lá irei estar, para assinar sobre estes meus “filhotes”, a quem os quiser levar para casa, em dia e hora a anunciar.
A Feira do Livro do Porto que este ano se realizará na deserta Avenida dos Aliados terá o horário que abaixo transcrevo:

2ª a 5ª Feira, das 12h30 às 20h30
6ª e véspera de feriados, das 12h30 às 23h00
Sábados, das 11h00 às 23h00 - Domingo, das 11h00 às 22h00

Entretanto relembro a tertúlia “Poetas de café”, dia 29, às 21H30, no Café Majestic onde eu e outros três autores, nos entreteremos a discutir poemas entre um café e outro.

"[...] com o peso do caminho que se fez pra trás"

Este blog anda triste, anda de luto. Começou o seu luto com a morte anunciada (na passagem de ano) dos Bandemónio. Não que isso seja realmente importante apenas representa o fim de um ciclo, o fim de um passado ao qual gosto sempre de me agarrar. Tenho este problema de usar o passado como alicerce, custa-me depois desagarrar-me dele, sem ele fico como que sem chão, sem memória, e isso custa-me.
Continuou o seu luto, agora pela morte trágica de um amigo (não sei se há morte que não seja trágica mas…), uma morte real e não de um símbolo do passado, a morte real de alguém real, pele e osso que deixou de existir como tal passando a ser apenas uma memória.
Como gosto muito de música com palavras dentro tenho alguns músicos como espécie de filósofos pessoais, entre eles Sting que, não obstante esse facto, também diz coisas com as quais não concordo; uma dessas coisas é uma música com a qual nunca concordei, chamada “History will teach us nothing”, mas hoje, a ver se acredito nisto, citá-la-ei:


“sooner or later we learn to throw the past away”

As boas notícias deixá-las-ei para o post seguinte.

domingo, maio 24, 2009

Poetas de Café

I will be there...

(be afraid, be very much afraid!)

Marquem lá na agendinha sff.

sexta-feira, maio 15, 2009

Rigor Mortis

(Ao Carlos)


Para que mordêssemos, depois,
a saudade com dentes de ferro
e penteássemos a tua memória
com pentes de prata,
remoendo interiormente
este silêncio tão vazio
do poema onde nos deixaste.

Rigor mortis,
o teu corpo, pedaço lívido
da carne que antes foste,
procurando o céu na imensidão
que lentamente te foi
da sua longa mão desamparando .

Rigor mortis,
a letra
rigorosamente desenhada
pelos teus dedos,
ternamente longa,
elegante,
imaculadamente viva,
as letras todas soletrando
a dança das palavras onde
recriavas o mundo
dessa forma invulgar,
abraçando o pormenor furtivo
da luminosa língua
agora morta.

Chegaremos tarde,
apavorados de morte,
chegaremos tarde ao teu sepulcro
e tarde demais te amaremos.