quarta-feira, janeiro 28, 2009

"I can't stand the rain against my window"

Tenho preferido preencher o blog com textos ou poemas inéditos, mas hoje, face ao tempo tão inóspito, não pude deixar de me lembrar de quando escrevi um certo poema que aqui deixo hoje, por não poder ser de outra maneira...

Divagações
II

Chove.
Nem posso acreditar
como chove a minha cidade,
chove em mim
e chove sobre todos...
nem posso acreditar
o quanto chove esta cidade...
Se ao menos chovesse anjos,
ou estrelas,
ou almas...
Mas nada.
Nada mais que a fria chuva
que me molha
e que molha a minha cidade
em que chove, chove, chove.
Nem posso acreditar
o quanto a minha cidade chove...

in
"Sombras de Noite"

2 comentários:

Miguel Barroso disse...

Bem escolhido



Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

SombrArredia disse...

Tenho andado a chover por dentro faz tempo; não sei se por palavras ou por actos deixados por fazer