sexta-feira, março 13, 2009

"Vision over visibility"

New York, New York!


Não conheço Nova Iorque, nunca lá estive, nunca sequer passei lá perto. Não sei da cor das casas, do imenso tamanho das avenidas, das pessoas incríveis e estranhas que passam ausentes pela cidade. Nunca vi as torres gémeas nem o ground zero depois delas, nunca me vi naquele cinzento com o sol a tentar romper abafado entre os prédios altos demais.

Ontem falaste-me de Nova Iorque “ah… Nova Iorque, Nova Iorque!” – dizias. Quero lá saber de Nova Iorque! Quero é saber da cor dos teus olhos e se lá dentro dormem princesas ou assassinos, se os deixas levar por correntes e aluviões ou se os prendem misérias ao cais como mãos que se estendem de espanto e desolação. Não me interessa Nova Iorque o os seus Sinatras a espalhar a notícia, não quero saber.

Apaga-lhe, esta noite, os neons e acende antes os teus olhos entre nós dois, como um feixe de luz que há-de arder depois no meu peito, só essa luz pequena, desusada, dos teus olhos, a deixar que as estrelas surjam pisca-pisca no firmamento, em vez do exagero luminoso da cidade.

Quero lá saber de Nova Iorque.

Amanhã parto para lá!
Texto inédito cuja revelação
foi prometida em jantar by the river
(lembras-te ou é como a cena das garças? :P)

4 comentários:

Folha|em|Branco disse...

Ah! as Garças! Aquelas que jantam e vão fazer a digestão para perto de nós... :-P
Lembro sim, e deixa-me dizer-te que gostei muito dele... /me quer mais..) :-D

João Garcia Barreto disse...

Boa Viagem

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.