domingo, maio 02, 2010

Sombra

Hoje a minha sombra
vai-te perseguir,
vai andar contigo
onde tiveres de ir.

Podes ir para longe,
ou para qualquer lugar,
que hoje a minha sombra
não te vai largar,
como um fantasma,
uma assombração,
um crime perfeito
sem absolvição,
a ocupar-te o leito,
a fugir-te da mão,
hoje a minha sombra
vai ser o teu chão.

No calor das luzes,
no meio do caos,
quando és quem seduzes
ou se te são maus,
no topo do mundo
ou no fim, no buraco,
hás-de encontrar a sombra
na gola do casaco.

Se te sentires rei
ou um vão perdedor,
terás sempre a sombra
a amparar-te a dor.

1 comentário:

Sombr|A|rredia disse...

Serão todas as sombras arredias?