sábado, janeiro 23, 2010

"Porque somos sempre sós, dentro de nós"

Há uns anos largos ofereci, pelo seu aniversário, este poema a uma Amiga. Foi uma maldade, uma coisa feia, oferecer assim um poema tão escuro a falar do tempo que passa e da solidão inerente a cada um de nós a alguém que fazia pouco mais que metade da minha própria idade. Hoje fica aqui por me andar a perseguir esta ideia… “porque somos sempre sós dentro de nós”.

Sós


Apagaram-se as velas
e a lua vem
finalmente
abraçar-te o corpo
em solidão.

Este é o poema
que lerás no fim
da festa dos teus anos
quando só
o silêncio te fizer
companhia junto
com as memórias
dos desenganos.

Porque somos sempre nós,
só nós
por dentro de apenas
nós,
pouco mais que
silêncio e solidão.

E é em nós,
por dentro sós,
tão sós,
que o tempo encontra
o chão onde pousar,
como um vento só
que sofre
sem ter onde soprar.

Porque somos nós,
só nós,
sim que somos
sempre sós dentro de nós,
apesar da multidão
é sempre dentro
de nós que o tempo
repousa no fim dos segundos,
os primeiros minutos,
os anos e as décadas.

Agora apagas as luzes
perfeitas da ilusão
e acendes dentro de ti
um sol de propulsão
que rasga o sorriso
pintado nos olhos
e dança na letra
de uma canção.
Abres a janela,
é só mais um ano,
marca-sentinela
de nada…
Risca o calendário
na data marcada
e volta-te ao contrário
e faz-te de novo
à estrada,
na busca,
na ânsia
de sei lá de quê…

5 comentários:

mulher lua disse...

Fiz anos na semana passada, este poema podia ter sido para mim... para todos nós.

NINGUÉM consegue entrar dentro de NINGUÉM, por isso, sempre estaremos, cá dentro, em solidão... que é boa, diga-se de passagem... ah ah ah

Veijios

Folha|em|Branco disse...

E há anos que o tento ensinar a mim e a todos os que me rodeiam, como se tivesse passado a ser uma Bíblia.. "Sim que somos sempre sós dentro de nós.."

SombrArredia disse...

Tremendamente belo !

Cantinho de SER disse...

lindo!!! obrigada pela partilha deste belo poema. Estamos sós dentro de nós mas sempre preenchidos porque é sempre nessa solidão de nós que encontro paz e compreensão!

João Garcia Barreto disse...

Sublime...